Escolha uma Página

GUIA DE COMO É TRAZER O CACHORRO PARA OUTRO PAÍS

IMPORTANTE: ESSE GUIA FOI CRIADO EM MARÇO DE 2019. AS REGRAS E LEIS PODEM SER ALTERADAS. CONFIRA AS INFORMAÇÕES POSTADAS AQUI COM OS LINKS CITADOS EM CADA SEÇÃO. NÃO ME RESPONSABILIZO POR NENHUMA INFORMAÇÃO DESATUALIZADA.

-NOSSA HISTÓRIA

Em Setembro de 2018 nós viajamos com o nosso cachorro Pudim. Foi uma saga de vários meses antes do dia derradeiro e talvez compartilhando nossa história com as pessoas facilite o processo para todo mundo (tanto empresas quanto pessoas).

Tivemos a vontade de ir morar no Canadá por vários anos, mas a decisão de de fato mudar para o país gelado veio em Janeiro de 2018. Nós começamos a economizar dinheiro de forma mais focada e a planejar todos os passos necessários.

Nossa forma de emigração era virmos (já que estamos no Canadá) eu como estudante e minha esposa como trabalhadora. Mais detalhes sobre isso em uma próxima atualização deste blog.

Depois de decidirmos isso, decidimos que iríamos para Montreal por dois motivos principais. A presença de amigos na cidade e a vontade de aprendermos francês enquanto aprimorávamos o inglês.

Muito bem. Começamos o planejamento e obviamente o Pudim era peça fundamental dessa história. Se ele não viesse, não viríamos.

Como então trazer um cachorro de 27kg de avião para Montreal?

Os passos abaixo são os mesmos para qualquer planejamento de mudança / viagem com um cachorro. Mas os exemplos que darei são relacionados à nossa viagem. Você adapta para sua viagem conforme necessário.

– PASSOS

1) ESCOLHER O DESTINO

Quando você for escolher o destino que deseja morar ou levar seu cachorro você precisa pensar que alguns países não aceitam cães de determinaradas raças ou origens. Aparentemente (precisa de confirmação) a Austrália não aceita cães brasileiros, por exemplo. Eu acho que eles não aceitam Akitas (a raça do nosso Pudim) e por isso já descartamos a ida para lá.

Além disso, quando você for escolher o destino pense no bem estar do seu cão. O Akita AMA a neve, mas pode ser que seu cão não goste. Então pense na rotina de passeio, alimentação e diversão do seu cachorro.

Alguns lugares são mais pet-friendly que outros. Toronto, por exemplo, permite que você ande com seu cachorro no transporte público. Aqui em Montreal a história já é diferente. Somente cães de serviço podem andar no tranporte público.

2) VERIFICAR AS REGRAS DO DESTINO
Alguns países, províncias, estados e cidades possuem regras específicas que você precisa saber ANTES de viajar para lá. Montreal, por exemplo, obriga que todos os cães sejam castrados. A não ser que você seja um criador de cães, será obrigatório castrar seu cão a partir de 2020.

É obrigatório também cadastrar/registrar seu cão na prefeitura de Montreal e pagar uma taxa anual (depende do tamanho do cão e da raça).

Uma ótima forma de descobrir esse tipo de coisa é ir em Grupos do Facebook com o nome da cidade que você pretende levar / morar e ler as publicações.

2) ESCOLHER O HORÁRIO DO VÔO

Quando saímos do Brasil nós preferimos voar com o Pudim de noite. Nosso vôo saiu às 20h30m de Guarulhos e foi direto para Toronto. Isso foi bom por alguns motivos
– menos calor (mesmo o porão do avião sendo climatizado).
– mais tempo durante o dia para resolver problemas de última hora
– horário de sono do cachorro é respeitado
– horário de passeios do cachorro são respeitados.
– o último dia de “Brasil” é sempre uma loucura
– você vai ver nos pontos 12 e 13 que um vôo noturno é útil

3) ESCOLHER O DIA DO MÊS E ANO

Ao viajar para o Canadá é proibido voar em períodos muito frios (Novembro a Março, se não me engano) ou muito quentes (Junho a Setembro). Como você pode perceber, não há muito tempo para voar caso você queira vir para o Canadá.

Então, ficar de olho nas passagens é fundamental para garantir que você consiga um preço justo para você e seu bicho.

Para escolher seu vôo ligue na companhia aérea antes de comprara para se informar de coisas importantes.

4) PESAR O SEU CACHORRO

Para medir o seu cachorro você primeiro se pesa sem ele e depois pega ele no colo e se pesa de novo. Porque cachorros simplesmente não param em cima de balanças, acredite ou não.

5) MEDIR O SEU CACHORRO

As medidas de cachorro que são solicitadas geralmente são
– do peito até o chão
– do topo da orelha (parte mais alta) até o chão
– do rabo até o focinho
– do “ombro”direito até o “ombro”esquerdo

6) ESCOLHER A COMPANHIA E RESERVAR SUA PASSAGEM / LUGAR NO AVIÃO

Quando você escolher as suas datas, entre no site da companhia aérea e pesquise por “dog” ou “cat” para ver as regras de transporte do seu bicho.
Nessa hora os grupos de Facebook são muito úteis também porque muitas pessoas compartilham as suas histórias.
Veja as regras pois elas mudam bastante de companhia para companhia.

Agora que você viu que as regras da companhia são decentes o suficiente para você, chegou a hora de cruzar todas as informações anteriores para escolher sua passagem.

Com uma passagem em mente, ligue para a cia aérea e pergunte se há espaço para animais no porão do avião. Eles vão pedir as dimensões do cachorro e o peso dele, por isso é importante que você pese antes.

Eles vão perguntar também sobre a caixa de transporte, mas aí vc fala que tem as caixas nas dimensões que tem no site. Isso é tranquilo de ver depois.

Quando você tiver a confirmação de que tem espaço no avião para seu cachorro, que tem a passagem por um preço decente e que é uma passagem em um dia bom, você confirma a compra da passagem.

(Eu não vou entrar no cerne de você ter ou não visto / permits canadense. Mas eu ainda não tinha e deu tudo certo).

7) ESCOLHER A SUA CAIXA DE TRANSPORTE

A sua caixa de transporte deve seguir as regras da companhia aérea.
Elas variam bastante de acordo com o tamanho do seu cachorro e a forma que vocês vão viajar. No caso do Pudim, precisava ser uma caixa de plástico não maleável, não “abrível” por dentro e que tivesse buracos para ele respirar. Não poderia ter rodinhas e nem ferros pendurados.

A caixa também precisa ter espaço para o cão dar uma volta ao redor do próprio eixo e poder ficar em pé e deitado com espaço. No caso do Pudim, a orelhinha dele tocava levemente o topo da caixa quando ele estava em pé, mas era bem coisa de 1cm ou 2cm, então deixaram passar / nem repararam.

Compramos uma no Mercado Livre que tinha todos esses requisitos e as dimensões solicitadas pela Air Canada.

Demorou umas duas semanas para chegar, mas a gente morava no interior de MG e tudo demorava para chegar lá. A caixa era basicamente duas tampas que se encaixavam e tinha vários parafusinhos para prender a parte debaixo com a parte de cima.

Cabíamos eu, Babi e Pudim dentro da caixa.
Nós pedimos com bastante antecedência e por um longo período de tempo nós só dávamos comida para ele dentro da caixa, para ele acostumar que com ela vinham coisas boas.

Quando mudamos do interior de MG para São Paulo (um pouco antes da viagem) ele fez uma viagem de caminhão dentro da caixa e adorou. Foi um ótimo treinamento para ele saber o que vinha pela frente.

8) LEVAR NO VETERINÁRIO E VACINAR O SEU CACHORRO

Depois disso tudo você começa a estar bem mais próximo da data viagem. Tudo vai se alinhando sem pressa.
Depende do país / cidade que você vai, é necessário vacinar seu cachorro para evitar que você transporte algum tipo de doença que o país de destino ainda não tenha.
Acho que no caso do Pudim precisamos vacinar para raiva e V10, coisa que ele já tinha. E você precisa ter o adesivo de todas as vacinas na carteirinha do cachorro porque quando você chegar no país de destino eles vão querer conferir.

9) EMITIR ATESTADO DE SAÚDE (VETERINÁRIO)

Seu veterinário vai precisar assinar uma “cartinha” dizendo que é um cão saudável e que tem saúde suficiente para viajar. Afinal, é uma situação estressante para o dog pegar 10 horas de viagem sem poder se mexer muito.

Existem vários modelos desse atestado, mas você pode ver um exemplo nesse arquivo aqui.

Nós fizemos com a Doutora Vanessa, veterinária de longa data dos bichinhos da Babi. Ela se lembrou que a Babi tinha um ganso. Se você quiser o contato dela é
– Pets Vila Rosália – Guarulhos
– Dra. Vanessa Nunes Bastos
– Pirapozinho, 177
– 2455-1650
(Fala que você viu o contato no site do pandraus “D)

Ela que nos alertou que para a Austrália não pode levar Akitas 😀

10) IR NO AEROPORTO COM 10 DIAS DE ANTECEDÊNCIA

Com esse atestado do seu vet você vai pegar o atestado do Governo Brasileiro que você está levando um cachorro na viagem. Esse atestado chama CZI (Certicado Zoosanitário Internacional em tradução livre). Mas o CZI não fica pronto na hora.

Você vai precisar voltar no dia anterior da viagem para pegar o CZI.

11) IR NO AEROPORTO BUSCAR O ZOONOSE TRECO

Um dia antes da viagem você vai investir mais tempo buscando o CZI. Você pode fazer isso no dia da viagem também, massssssss

12) CHEGAR NO AEROPORTO COM ANTECEDÊNCIA NO DIA DA VIAGEM

Eu particularmente gostei bastante do horário do nosso vôo por ser 20h30m que tivemos bastante tempo durante o dia para resolver coisas de última hora.
Além disso, queríamos chegar por volta de 17h30m no aeroporto para comer em paz, dar tchau para todo mundo e despachar o Pudim.
Mas tinha muito trânsito em São Paulo e chegamos por volta das 18h30m. Mas, mesmo assim, bastante tempo.

Vôos internacionais requerem que você esteja no aeroporto com duas horas de antecedência em relação ao horário de embarque. Ou seja: nosso vôo decolou as 20h30m, embarque era 19h30m, o recomendado é estar no aeroporto as 17h30m.

O ideal é que assim que você chegue no aeroporto você se identifique na companhia aérea que escolheu e diga que chegou. Eles vão querer que você já despache o seu cachorro, mas eu não recomendo por alguns motivos (abaixo).

13) PREPARAR A CAIXA DO SEU CACHORRO

Quando chega a hora de despachar o cachorro você precisa preparar a caixa dele. A Air Canada não permite colchões ou nada macio dentro do vôo, mas a gente pediu para colocar uma cobertinha com o nosso cheiro dentro da caixa e eles deixaram. Nós deitamos com essa cobertinha uns dois dias antes do vôo para que o Pudim ficasse mais tranquilo (ainda) pensando que estávamos por perto.

14) PREPARAR O SEU CACHORRO

Ao chegar no aeroporto eu deixei todas as malas com as pessoas que estavam conosco porque eu queria passear o Pudim. Justamente para deixar ele bem cansado e dormir durante todo o vôo e ver se fazia cocô e xixi antes do vôo para esvaziar ele.
Eu pretendia não dar comida antes do vôo para que ele não fizesse cocô dentro da caixa e que não ficasse sujo.

Nós passeamos o máximo de tempo possível: das 18h30m até às 19h30m. Como o vôo era internacional, precisamos embarcar o Pudim 19h30m e ele não fez cocô. Acho que o barulho dos aviões decolando deixou ele estranhado, não sei. Só sei que fiquei o vôo inteiro pensando que ele não tinha feito cocô e que tava passando nervoso dentro do porão do avião.

15) EMBARCAR O SEU CACHORRO

Depois de fazer tudo isso, chegou a hora de dar tchau pro seu pet. Chegue no guichê com o bicho e com U$270 (duzentos e setenta dólares americanos). É o preço da passagem do seu PET para (não tenho certeza) qualquer lugar do mundo.

16) DAR TCHAU PARA SUA FAMÍLIA

Provavelmente você está em cima da hora. Dê tchau para sua família. Chore muito.
Chegou a sua hora de embarcar. Guarde como se fosse sua vida os papéis que te deram sobre seu bichinho que eles vão pedir na imigração do lugar que você pousar.

17) EMBARCAR

O embarque é comum como em toda viagem. Tenha seu passaporte em mãos. Nesse momento nem vão saber que você tem um bicho ou não.

18) CHEGAR NO DESTINO E BUSCAR SEU CACHORRO

Voar, voar. Subir, subir!
Descer, descer. Pousar, pousar!

Você vai pegar todas as suas malas e dependendo do lugar que você pousar vai ter uma seção / área de carga viva / cargas especiais. Provavlmente ali vai ter pranchas de surfe e outras coisas também.

Seu cachorro vai estar ali te esperando 😀

Quando eu fui buscar o Pudim ele tava dormindo dentro da caixa! Todo limpinho e feliz. Fiquei até meio triste que ele não ficou feliz em me ver hahaha
Eu chorando e ele nem aí.

19) TENTAR PASSEAR

No meu caso eu precisava passar pela imigração ainda. E aí tava tudo fechado / offline e eu me ferrei. O Pudim ficou esperando fechado na caixa por 3 horas por falha do sistema de imigração de Toronto.

Mas, depois de passar pela imigração, eu tinha 1 hora entre os vôos e eu usei 30 minutos disso para deixar o Pudim passear.
Ele fez um cocozinho e MUITO xixi. Quando eu fiz sinal para ele entrar na caixa ele não queria mais.

20) PASSAR PELA ALFÂNDEGA ANIMAL

Quando você tá com um cachorro ou gato você passa por uma alfândega extra, onde você tem que mostrar todas as vacinas do seu bicho. No meu caso, foi ali que comprovei que Pudim tinha tomado todas as vacinas necessárias para morar no Canadá.

Foi bem devagar porque a moça que tava trabalhando lá era muito lenta. Ou eu que já estava muito nervoso.

Ah, nessa hora eu contratei o serviço de um “carregador de malas” que me ajudou bastante. Custa $10 por hora mas vale muito a pena.

Ela perguntou especificamente qual era a vacina de raiva, e foi legal que a veterinária já tinha feito a tradução para nós. Obrigado de novo, Dra. Vanessa!

21) CHEGAR NO DESTINO

Quando você chegar no seu destino final (depois de fazer eventuais conexões) você vai pegar o seu cachorro como se fosse uma mala normal. No meu caso, em Montreal, eu morri de dó porque estava calor. O vôo de SP > Toronto foi das 20h30m às 06h00. Só que aí a caceta da imigração demorou para funcionar e eu fiquei com o Pudim em Toronto até 11h30m.
O sol já estava a pino (Setembro) e a caixa dele ficou dentro do avião esquentando enquanto o avião demorava para decolar.
Quando decolamos, o avião estava com problema no ar condicionado. O vôo era bem curto, então mal deu tempo de refrescar a aeronave.

Chegando em Montreal a caixa do Pudim estava muito quente. Ele bebeu muita água, coitado.

Se eu soubesse o que eu sei agora, eu evitaria AO MÁXIMO conexões.
Eu pousaria em Toronto e alugaria um carro para Montreal onde eu pudesse ir abraçado com o Pudim.

22) DAR ÁGUA E PASSEAR

Ao pegar o Pudim em Toronto da primeira vez eu dei pouca água. Só o suficiente para ele molhar o bico. E ele não estava muito ofegante também. E, claro: ele tinha outro vôo pela frente.

Em Montreal a caixa dele estava tão quente que eu dei toda a água que ele quis, mesmo sabendo que ainda tinha 30 minutos de Uber até o AirBNB que nós estávamos.

Chegando no AirBnb em questão nós fomos passear um pouco pela rua mas ele estava (e eu também) muito cansado. Então ele só queria dormir e comer.

23) CHEGAR EM CASA

Ao chegar na casa (ou em casa) você vai ver que ele vai estranhar tudo. Afinal, é uma casa diferente. O Pudim mandou mal demais e mandou um cocozão no meio da sala e lá fui eu limpar.

O que eu recomendaria nesse caso é passear por mais tempo, mas deixar ele descansar no passeio (ficar parado mesmo).

Você também tem que pensar onde vai deixar a gigantesca (caso seu cachorro seja grande) caixa quando chegar. Às vezes seu AirBNB não tem espaço. Então veja se tem um selfstorage por perto ou considere até deixar amarrado na rua, como se fosse uma bike. Em muitos países tem becos que são menos movimentados.

24) DAR COMIDA E DESCANSAR

Depois de uns quinze minutos de ter chego na casa, chega a hora de comer e descansar. Deixe seu cachorro descansar o quanto for necessário no primeiro dia. Para ele retomar a rotina eu recomendo que você passeie 3 vezes por dia até ele acostumar com xixi e cocô no novo lugar.

Se você estiver indo para um lugar com fuso horário diferente, tente forçar o cachorro a não dormir muito de tarde nos primeiros dias para que ele durma a noite.

Enfim, é isso.
Espero que tenha sido útil e eu vou atualizando esse artigo com os comentários das pessoas para ajudar.
Obrigado por ter lido até aqui!